Resenha – Ad Astra: Rumo às Estrelas

9
Ad Astra: Rumo às Estrelas é visualmente um belíssimo filme, e nos traz uma jornada emocional impactante em mais uma grande atuação de Brad Pitt.

Estrelado por Brad Pitt e dirigido por James Gray, Ad Astra: Rumo às Estelas acompanha o astronauta Roy McBride numa jornada para reencontrar seu pai, o qual permaneceu 30 anos desaparecido no espaço após uma missão mal sucedida.

Ao longo do filme vemos que a jornada de Roy é também emocional. Sendo alguém desconectado das pessoas e quase inexpressivo, devido ao trauma de perder o pai, ele pouco a pouco vai se reconectando com suas emoções e descobrindo mais não só a respeito de seu pai, como de si mesmo.

O pano de fundo relativo ao espaço-sideral funciona bem amplificando a sensação de solidão e vazio vivida pelo protagonista. Além disso, o universo criado, embora não seja desenvolvido a fundo, parece crível o suficiente para manter o interesse do espectador e nos fazer querer saber um pouco mais.

A fotografia do filme é belíssima, combinando belos planos abertos, com alguns quase claustrofóbicos. Porém, o conjunto de imagens sempre é muito bem pensado, de modo que também funcione como forma de exprimir o próprio personagem central. Neste ponto, mérito para o diretor James Gray, que soube explorar bem os diversos meios oferecidos pelo cinema para contar sua história.

Além de Brad Pitt, o elenco traz outros nomes mais conhecidos como Liv Tyler, Donald Sutherland e Tommy Lee Jones. Contudo, Pitt é a estrela, com o longa girando o tempo inteiro a seu redor. Com uma atuação bastante contida, ele dá veracidade ao estado emocional de Roy, em mais uma bela atuação neste ano de 2019.

Com tantos pontos positivos, citarei também aqueles que não me agradaram tanto. O longa é bastante narrado, isso é compreensível em virtude da apatia inicial do protagonista, por isso a narração funciona como meio de entrarmos em seus pensamentos. Entretanto, a pontos que isso funciona de forma redundante demais, expressando apenas o óbvio.

Outro aspecto que pouco funciona é em relação a alguns coadjuvantes que cruzam o caminho de Roy. Suas ações, por diversos momentos não são muito naturais, funcionando apenas como meio de mover a história de um ponto ao outro.

No fim das contas, há muitos mais motivos para assistir Ad Astra, especialmente no cinema, do que se manter afastado. É sim uma bela experiência cinematográfica e um tremendo estudo de personagem. Se você for assistir com isso em mente, sem esperar muitos momentos de ação, certamente aproveitará muito mais do filme.

Ficha Técnica
Ad Astra – 2019
Gênero: Drama, Aventura
Direção: James Gray
Roteiro: James Gray, Ethan Gross
Elenco: Brad Pitt, Tommy Lee Jones, Liv Tyler, Ruth Negga, Donald Sutherland

Share