“Surto” é um filme dirigido pelo diretor novato Aneil Karia. Apesar da pouca experiência do diretor, ele entrega uma obra com diversas camadas para falar de uma sociedade mecânica e hostil que nos cerca a todo momento. O filme é protagonizado por Ben Whishaw que trabalhou em “007 – Sem Tempo para Morrer” e na série “Fargo”

O ator toma posse do personagem e de suas diversas características peculiares, que na atuação de Whishaw conseguem se expor para a tela de maneira impecável. A obra que retrata os limites da mente humana frente ao estresse social se vê consolidada em Joseph (Whishaw), em seu olhar profundo, seu cansaço explícito e em seu emprego monótono, sem contar os problemas familiares que enfrenta. 

Fora as camadas do personagem, a parte técnica corre em uma busca incessante por inserir o público na mente do protagonista, sentindo junto com ele seus incômodos e inseguranças. A câmera se movimenta apressadamente dando pouco tempo para o espectador respirar, além disso, os ruídos que incomodam o personagem também incomodam a quem assiste; existe uma sensação de deslocamento social que vai além da tela. 

No entanto, em contraposição a todas essas boas decisões da direção, outras que poderiam ter sido tomadas, acabam impactando de forma macro no filme. Primeiro é a extensão de algumas cenas, que parecem intermináveis, e que na realidade não aprofundam mais do que já conhecemos do personagem. Em alguns momentos existe uma certa estagnação no desenvolvimento de Joseph, e nessas horas parece que estamos assistindo planos repetidos. Além disso, existem algumas apelações desnecessárias, e uma apropriação de conceitos que isolados em um protagonista, terminam por paralisar sua evolução e de certa forma o torna mais preso do que antes. 

“Surto” é um filme que se propõe a ir mais a fundo nas camadas de seu personagem, mostrando seus dramas internos e externos. No entanto, suas resoluções se esgotam rapidamente tornando a narrativa parcialmente cansativa. O filme foi premiado em Sundance, e seu reconhecimento é válido por abordar assunto que é pouco retratado nos cinemas, porém alguns conceitos que acabaram sendo tratados de forma isolada precisariam ser lapidados para que essa obra se tornasse uma experiência completa.

Confira o trailer aqui:

O filme estará disponível a partir de 19 de novembro para compra e aluguel nas plataformas digitais Claro Now, Amazon, Vivo Play, iTunes/Apple TV, Google Play e YouTube Filmes. Com distribuição da Synapse Distribution, o longa poderá ser encontrado nas versões dublada e legendada.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui